sexta-feira, janeiro 15, 2010

Pensamentos (sem serem do Blaise Pascal), ou "Os Rebeldes"

Há dias, num programa de televisão assaz curioso, financiado por um banco castelhano, mostrava-se um itinerário ibérico de aguas e rios, proporcionado a um grupo de jovens portugueses e espanhóis.
O programa era giro e o projecto também, fomentava o conhecimento mútuo dos jovens dos dois lados da fronteira.
Quando o grupo passou nos fortes fronteiriços do Alentejo, o locutor, português, leu o guião castelhano e disse que tinham sido construídos no sec XVII pelos rebeldes portugueses.
É justo, na mesma época nós chamávamos aos castelhanos usurpadores.
Nós éramos os rebeldes e eles os usurpadores.
Lutávamos pela libertação do jugo a que estávamos submetidos por um rei estrangeiro, da mesma forma que os bascos agora lutam pela deles..
Nós já existíamos antes, muito antes, antes mesmo do que agora os castelhanos chamam Espanha, isto é, por termos o direito de termos os nossos próprios filhos da puta a governar-nos.
Agora vamos recambiar para Espanha dois patriotas que se lembraram de pôr bombas e matar inocentes, mas que não deixam de ser dois patriotas.
Lembram-se do que faziam os espanhóis quando da sua guerra de libertação contra os franceses? Eu digo, punham umas bombitas.
E eu, se tiver uma questão com um vizinho muito mais forte que eu, que sei à partida que se o desafiar para a lambada levo nas fuças, e esteja convicto de que a razão está toda do meu lado, o que faço?
Desafio-o para a porrada a punhos limpos e levo uma coça, ou levo uma pistola e dou lhe um tiro? O que faziam os patriotas franceses contra os alemães, durante a segunda guerra, que tinham muito mais força e armas que eles? Eu digo, punham-lhe umas bombitas.
Isto é, o critério das bombitas é muito subjectivo, não me atrevo a criticar assim sem mais, embora não ache bem que as tais bombitas sejam postas em sítios que matam tipos que não tem nada a ver com a coisa.

E, no entanto, é grande o respeito que nutro pela cultura castelhana, respeito contudo sem subserviência.
Recuso-me a censurar Cervantes (que lutou na armada castelhana contra os Portugueses) e Reverte, admiro Velasquez e Picasso, gosto muito do Bunuel e do Almodovar e gosto das zarzuleas e da comida galega, adoro navegar nas rias baixas e por aí fora.
Mas continuo a preferir os nossos próprios filhos da puta a governar-nos.

PS:
Perdi recentemente dois concursos com a mesma empresa castelhana.
O primeiro, para uma obra em Espanha, eu com um preço de base 100 e eles com outro de base 120. Justificação, a minha empresa não estava homologada em Espanha.
Semanas depois perco o segundo concurso, agora em Portugal, eu com a mesma base 100 e eles com 85.
Justificação, o preço deles era melhor e o facto de não estarem homologados em Portugal não era importante face ao melhor preço.
Acrescente-se que os produtos eram exactamente os mesmos, e a base 100 de que falo era real e posso prova-la.
Moral da história: os Filipes voltaram e nós, os Portugueses, abrimos-lhes as pernas sem ver as consequências que isso pode ter a muito curto prazo.

4 comentários:

CELTA MORGANA disse...

Discordo completamente com o autor, excepto na parte dos "filhos da puta". É raro discordar no "Ventosga", mas para esse peditório... não dou !!!

Laurus nobilis disse...

Pois... A questão é conseguir saber onde pára o patriotismo e começa a selvajaria... É complicado… Por exemplo, durante muitos anos, o IRA na Irlanda do Norte, só punha bombas e atacava militares e forças de segurança no território que consideravam ocupado. Depois, evoluíram para outras paragens e para outros alvos. Decididamente, não é uma questão de branco ou preto. Existe uma infinidade de tons de cinzento difícil de definir...

BLUE MOON I disse...

Olha Pardal, axo que tás bem.
Ó JFMV, ias adonde????

jc disse...

Eu também não dou e quanto às bombitas... não vejo onde possa haver alguma comparação dos exemplos dados com a eta mas enfim...ninguem é perfeito, não é Cap. Veiga?