segunda-feira, setembro 18, 2017

Senhora dos Navegantes 2017

video

Não sendo crente nem religioso, emociono-me com estas manifestações, mais pagãs que religiosas, sobretudo quando fluviais e marítimas.
A nossa Ria tem destas coisas, com os pescadores e outros profissionais do Mar a terem os seus santos de devoção, as suas festas, as suas crenças e superstições.
Eu e o Veronique estamos sempre presentes nestas andanças, com foguetório, merenda e amigos.
Largámos do Oudinot uma horita antes da procissão chegar ao Forte da Barra, ainda fomos até à Meia Laranja, sempre com a máquina a ajudar e, de regresso, fundeamos mesmo em frente à doca, fora do canal de navegação, devidamente sinalizados, e aguardamos.
Lá chegou então o cortejo, o foguetório durou mais de meia hora, rijo como convém.
Sinalizamos o Zás Tráz com priminha Anabela, o vizinho moliceiro São Salvador, os outros vizinhos todos, o Delmar, o Saravah e  o Jasine, os amigos da Ange como o Badanas e o Chemmy, muita rapaziada do CVCN como o Vitaminas do meu antigo timoneiro Velhinho.
O Veronique, que transportava o presidente da Balsa da Vagueira, arvorava impante o pavilhão de navio Almirante.
O Gustavinho também esteve presente com a lancha Praia da Costa Nova, e ainda víamos uma miríade de veleiros e lanchas, robaleiras, traineiras, a piloteira, etc etc.

sexta-feira, setembro 08, 2017

Golfinhos no Sado




Foi nas férias de 2014 que o gracioso veleiro Veronique rumou a Tróia.
Depois de uma viagem atribulada, com escala na Figueira, 
em Cascais, em Alhandra e em Sesimbra, lá arribou a Tróia.
(a viagem de regresso seria ainda mais atribulada)

Na marina Oceânica de Alhandra com a (famosa) carranca do Veronique arvorada

A passagem ao largo do Terreiro do Paço, a caminho de Alhandra


A manobra de amarração em Tróia

Nas duas semanas de estada em Tróia, apenas uma comigo presente, tivemos só uma saída para o Rio e, já de regresso a amarrar o veleiro no finger, fomos avisados que havia golfinhos (animais humanos) ao largo e, antes que perdêssemos a oportunidade, levantamos de novo as amarras e o Bolha, First Mate do gracioso veleiro, fez este video assim-assim.

Novas aventuras esperavam o Veronique.

quarta-feira, setembro 06, 2017

de Aveiro para a Figueira




Uma das viagens habituais do gracioso veleiro sempre foi  até à Figueira da Foz.
Desta vez juntamos a viagem à recepção à Sagres na entrada da barra de Aveiro, fazendo rumo conjuntamente com mais uns quantos  veleiros amigos.
Esta viagem, como todas as outras, foi mágica.
O Veronique levava a bordo o presidente do CVCN, arvorava por isso o pavilhão de navio almirante.
O fim da viagem foi em mareação de borboleta, linda.
Terminou com um jantar no Cepórtên (núcleo do Sporting da Figueira da  Foz) com um variado de peixe grelhado e por aí fora.


Berlenga 2016





Foi esta  a saga de 2016.
Tripulação do gracioso veleiro renovada, com a srª Vera como 1ª marinheira arvorada de vigia, a srª Emília a  2ª grumete encarregada do sino do rancho, o sr Bolha, o autor deste video e First Mate e, the last but not the least, este vosso criado como Capitão e  ELTEVBP (Encarregado de Levar  Todas Estas Vidas a Bom Porto).

Suspendemos do Oudinot num fim de tarde de nevoeiro, tão espesso tão espesso, que o sr Bolha teve de ir à proa com um faca a abri-lo para podermos progredir.
Ainda não chegados à Vagueira e já jantávamos  uma belíssima vichyssoise seguida de outra não menos apurada chanfana. O jantar acabou com uma sobremesa internacional, arroz doce.
Pelo raiar da madrugada arribávamos à baía da Flandres, na ilha mágica da Berlenga, onde fundeamos.
O almoço em terra, no restaurante do sr Arnaldo, foram uns magníficos robalos escalados.
A todo o pano rumámos a  Peniche, onde nos calhou em sortes um bacalhau abanado, confeccionado pelo imediato  e first mate sr Bolha, sobre uma velha receita de  família


terça-feira, setembro 05, 2017

Corsários na Ria de Aveiro

Acordado que fui da minha sesta pelo alarido ululante dos corsários do galeão São Salvador, preparadas as armas, os canhões e os copos, bastou a sua visão para abortarem a abordagem.


Estremunhado, o comandante do gracioso veleiro observa a aproximação do galeão São Salvador

Registada  na Crónica de Bordo esta façanha, digna de Fernão Mendes Pinto, patrício do Bolha e coevo dos seus avós, proprietário de uma famosa taberna em Montemor antes de partir para as Índias.




O galeão corsário São salvador em manobra de abordagem

Consta aliás que o dito Fernão M. Pinto terá embarcado na Armada das Índias logo a seguir a uma noite em que, só ele, teria esvaziado um tonel de dois almudes de tinto da Bairrada.
Depois disso nunca mais bebeu, tanto mais que, quando acordou, já tinha passado o Espichel.


Passada já a ameaça, uma nova sesta se impôs



© Fotos de Emilia Castro, Vera Silva e Teresa Santos