quinta-feira, outubro 19, 2017

Uma saída da Barra de Aveiro, Fevereiro de 2001

...
no ultimo fim de semana, para variar, fui para o Mar. O Mar, como disse, é o principio e o fim de tudo, ou, como diria o nandinho, "..deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas foi nele que espelhou o céu..."
sábado de tarde zarpei em direcção à baía de s.jacinto onde fundeei e dormi. Domingo às sete levantei-me, tomei um bom pequeno almoço, VHF no canal 8 (o canal das traineiras) e...
--- aqui embarcação de recreio Veronique chama mestre costeiro para informação metereologica..crrrr
--- responde navio motor mestre ribau, diga Veronique...crrrr
--- mestre, estou à saída da barra de Aveiro, pretendo navegar até à Galega ou até Matosinhos, como está o mar aí fora? crrrr (aqui sou eu a perguntar)
--- pode entrar à vontade, o mar está bonançoso de sudoeste e com vento do mesmo quadrante força 2, terminado, diga se ouviu . crrrr
( o crrrr é o barulho que o VHF faz no fim da transmissão)
--- obrigado mestre, já agora como se chama ? crrrrr
---- Alcino Monteiro do motor "mestre ribau" crrrr
--- obrigado mestre, aqui é joão madail veiga do veleiro Veronique. Boa pesca e boa navegação crrr
---- boa navegação para vocês também, terminado crrrr

Ainda dentro da Ria, a cerca de meia  milha da barra, de binóculos, constatei que efectivamente o mar estava bonançoso. Esqueci-me porém da fortíssima corrente que ali se fazia sentir, a meio da maré, na maior força da vazante, cerca de 4 nós ( 4 x 1,852 km/hora ).
No meio da corrente, mesmo à saída da Barra, apanhei 5 ondas de quatro metros que testaram o Veronique, e de que maneira !!!!
O veleiro galgou a primeira parede de agua, vacilou lá em cima e disparou em direcção ao centro da terra, mergulhou a proa completamente dentro de agua e saltou fora, qual  baleia a respirar, com grandeza.
Tudo saltou dentro daquele barco, garrafas pelo ar, instrumentos aos tombos, enfim, um pandemónio.
Era impossível reentrar naquela barra. Coloquei então a hipótese de rumar a norte, a leixões, onde a quase inexistência de correntes torna a barra muito fácil.
Não foi necessário, o mar estava mesmo bonançoso, era só ali que estava complicado. Liguei aos pilotos da barra pelo canal 14, que me sossegaram, as previsões eram muito boas, era só esperar pela mudança da maré, que o Mar baixava logo na entrada da barra. Eram 8 e 30 da manhã.
Esperei a mudança da maré, às 11h20, e reentrei por volta das 13 com o mar como a  ria, muito calmo...enfim, para contar aos netos.
Entretanto para gozar aquele mar delicioso fui até à praia da Torreira, a cerca de 8 milhas ao norte, com pouco vento e ondas  de 2 metros mas muito largas.
espero que a história trágico marítima vos  tenha, pelo menos distraído, e, desta vez, seja inteligível.


terça-feira, outubro 17, 2017

O fato de mergulho

O fato de mergulho, aos anos que ando para o comprar.
Num destes fins de semana atrás, fui até São Jacinto almoçar e descobri, tardiamente, a solução para o problema de almoçar em São Jacinto.
São Jacinto continua o albergue espanhol que conhecemos, no que diz respeito a amarrações para embarcações de recreio. Os seus restaurantes são muito apresentáveis, sobretudo nos pratos de peixe, mas amarrar um veleiro em São Jacinto é uma tarefa hercúlea.
E porque não fundear e chamar um dos táxis que lá prestam serviço? Eureka, porque não me lembrei disso antes.
É verdade, por meia dúzia de euros, vou e volto do Veronique a terra, almoço nas calmas e regresso ao veleiro sem chatices, aborrecimentos, pancadaria, insultos, bocarras e outras.
Foi assim neste ultimo fim de semana, um magnifico robalo selvagem escalado, com optimo azeite e muito alho, umas espetadas de gambas para as senhoras e um Coração d’Oiro, como a novela da SIC, um muito razoável Douro, para acompanhar.
Numa mesa ao lado o clã Conde fazia as honras a manjares idênticos, não sem antes  se combinar uma recachia entre os nossos veleiros, ao ‘leitão por fora’.
Suspendemos ao fim da tarde e retomamos o caminho do Oudinot, sob forte maré viva enchente, mas a viagem era curta.

Foto gentilmente cedida pelo Amândio,pela Sandra  e pelo veleiro Baccus,em que se pode ver a Marieke, a sensual galega, à pesca e duas teen agers inconcientes à luta com as minhocas, estando o Comandante no interior do gracioso veleiro às voltas com a Gertrude Stein

Ao entrar na doca do Oudinot, helás, um cabo bloqueou o hélice, deixando-nos sem máquina, mas sem grandes problemas para a amarração, feita com a perícia habitual com que eu fui habituando os meus tripulantes, feita apenas com a inercia das dez toneladas do Veronique.
Mas tive de pedir a amigos que mergulhassem e safassem o cabo do hélice.

E eis o motivo porque, desta vez é de vez, comprei um fato de mergulho.

segunda-feira, setembro 18, 2017

Senhora dos Navegantes 2017

video

Não sendo crente nem religioso, emociono-me com estas manifestações, mais pagãs que religiosas, sobretudo quando fluviais e marítimas.
A nossa Ria tem destas coisas, com os pescadores e outros profissionais do Mar a terem os seus santos de devoção, as suas festas, as suas crenças e superstições.
Eu e o Veronique estamos sempre presentes nestas andanças, com foguetório, merenda e amigos.
Largámos do Oudinot uma horita antes da procissão chegar ao Forte da Barra, ainda fomos até à Meia Laranja, sempre com a máquina a ajudar e, de regresso, fundeamos mesmo em frente à doca, fora do canal de navegação, devidamente sinalizados, e aguardamos.
Lá chegou então o cortejo, o foguetório durou mais de meia hora, rijo como convém.
Sinalizamos o Zás Tráz com priminha Anabela, o vizinho moliceiro São Salvador, os outros vizinhos todos, o Delmar, o Saravah e  o Jasine, os amigos da Ange como o Badanas e o Chemmy, muita rapaziada do CVCN como o Vitaminas do meu antigo timoneiro Velhinho.
O Veronique, que transportava o presidente da Balsa da Vagueira, arvorava impante o pavilhão de navio Almirante.
O Gustavinho também esteve presente com a lancha Praia da Costa Nova, e ainda víamos uma miríade de veleiros e lanchas, robaleiras, traineiras, a piloteira, etc etc.

sexta-feira, setembro 08, 2017

Golfinhos no Sado




Foi nas férias de 2014 que o gracioso veleiro Veronique rumou a Tróia.
Depois de uma viagem atribulada, com escala na Figueira, 
em Cascais, em Alhandra e em Sesimbra, lá arribou a Tróia.
(a viagem de regresso seria ainda mais atribulada)

Na marina Oceânica de Alhandra com a (famosa) carranca do Veronique arvorada

A passagem ao largo do Terreiro do Paço, a caminho de Alhandra


A manobra de amarração em Tróia

Nas duas semanas de estada em Tróia, apenas uma comigo presente, tivemos só uma saída para o Rio e, já de regresso a amarrar o veleiro no finger, fomos avisados que havia golfinhos (animais humanos) ao largo e, antes que perdêssemos a oportunidade, levantamos de novo as amarras e o Bolha, First Mate do gracioso veleiro, fez este video assim-assim.

Novas aventuras esperavam o Veronique.

quarta-feira, setembro 06, 2017

de Aveiro para a Figueira




Uma das viagens habituais do gracioso veleiro sempre foi  até à Figueira da Foz.
Desta vez juntamos a viagem à recepção à Sagres na entrada da barra de Aveiro, fazendo rumo conjuntamente com mais uns quantos  veleiros amigos.
Esta viagem, como todas as outras, foi mágica.
O Veronique levava a bordo o presidente do CVCN, arvorava por isso o pavilhão de navio almirante.
O fim da viagem foi em mareação de borboleta, linda.
Terminou com um jantar no Cepórtên (núcleo do Sporting da Figueira da  Foz) com um variado de peixe grelhado e por aí fora.


Berlenga 2016





Foi esta  a saga de 2016.
Tripulação do gracioso veleiro renovada, com a srª Vera como 1ª marinheira arvorada de vigia, a srª Emília a  2ª grumete encarregada do sino do rancho, o sr Bolha, o autor deste video e First Mate e, the last but not the least, este vosso criado como Capitão e  ELTEVBP (Encarregado de Levar  Todas Estas Vidas a Bom Porto).

Suspendemos do Oudinot num fim de tarde de nevoeiro, tão espesso tão espesso, que o sr Bolha teve de ir à proa com um faca a abri-lo para podermos progredir.
Ainda não chegados à Vagueira e já jantávamos  uma belíssima vichyssoise seguida de outra não menos apurada chanfana. O jantar acabou com uma sobremesa internacional, arroz doce.
Pelo raiar da madrugada arribávamos à baía da Flandres, na ilha mágica da Berlenga, onde fundeamos.
O almoço em terra, no restaurante do sr Arnaldo, foram uns magníficos robalos escalados.
A todo o pano rumámos a  Peniche, onde nos calhou em sortes um bacalhau abanado, confeccionado pelo imediato  e first mate sr Bolha, sobre uma velha receita de  família


terça-feira, setembro 05, 2017

Corsários na Ria de Aveiro

Acordado que fui da minha sesta pelo alarido ululante dos corsários do galeão São Salvador, preparadas as armas, os canhões e os copos, bastou a sua visão para abortarem a abordagem.


Estremunhado, o comandante do gracioso veleiro observa a aproximação do galeão São Salvador

Registada  na Crónica de Bordo esta façanha, digna de Fernão Mendes Pinto, patrício do Bolha e coevo dos seus avós, proprietário de uma famosa taberna em Montemor antes de partir para as Índias.




O galeão corsário São salvador em manobra de abordagem

Consta aliás que o dito Fernão M. Pinto terá embarcado na Armada das Índias logo a seguir a uma noite em que, só ele, teria esvaziado um tonel de dois almudes de tinto da Bairrada.
Depois disso nunca mais bebeu, tanto mais que, quando acordou, já tinha passado o Espichel.


Passada já a ameaça, uma nova sesta se impôs



© Fotos de Emilia Castro, Vera Silva e Teresa Santos

quinta-feira, agosto 17, 2017

E o Mar Invadiu a Planície

Texto antigo, que me chegou às mãos há uns anos, de uma médica, e que veio a talho de foice no almoço de hoje...
"...
Juntando  algumas das pedrinhas soltas da nossa conversa de hoje e pensando naquela tua imagem de estares despido sem o teu barco, e sem rumo fora do mar….recordei uma história que ouvi contar ao meu pai, naqueles tempos em que a juventude me permitia que as histórias ficassem na memória...dizia ele que um dia lhe entrou pelo gabinete lá nos Açores , o amigo Damião, conhecera-o anos antes, nos tempos em que ele esteve a trabalhar na nossa terra, e o inesperado daqule reencontro.... agora  com a situação invertida, era o ribatejano que se encontrava deslocado naquela linda ilha no meio do oceano, lá na terra dele, e o açoreano não podia estar mais espantado dizendo com aquele sotaque tão peculiar –“É homem então você está cá?”
E foi nessa altura que lhe confessou as saudades que, perdido lá no meio de tanta terra,  lá no ribatejo,  sentia da sua ilha e sobretudo daquele mar imenso ...e  na   altura em que as chuvas de  inverno faziam  subir as águas do rio e os campos ficavam inundados,...aí  ele ia para cima da ponte e sentia que respirava melhor rodeado de toda aquela água que cobria  a planura da lezíria, aquela água a perder de vista...e assim recuperava um pouco as forças para continuar ..longe ...era o que de mais parecido encontrava com a imensidão do seu mar.
..."

21 de Dezembro de 2004-12-21


 Luisa Rosa  

segunda-feira, julho 24, 2017

Berlenga 2017

As minhas viagens à Berlenga, longe de se tornarem rotineiras, representam sempre um conjunto de vivências e experiências únicas, pela presença do mar e do Vento e da sensação de se estar sobre as ondas e de flutuarmos sobre elas.
Desta vez não foi diferente, com a viagem a iniciar-se, como sempre, de noite, com largada de Aveiro pelas 2000, directo à ilha mágica.
Navegar à noite tem um encanto especial e, apesar de nos mantermos a dez milhas da costa, podemos sempre observá-la, com as suas luzes, os seus faróis, os seus contrastes.

A noite foi de lua cheia pelo que associámos às luzes o prateado das aguas, particularmente calmas.
A umas quinze milhas da ilha mágica, já de dia, fomos escoltados por cinco ou seis golfinhos, que emprestaram ao fim da viagem um encanto suplementar.
A escolta do Veronique

Pelas 1000, como previsto, fundeávamos na enseada da Flandres, na Ilha Berlenga Grande, para pouco depois nos deslocarmos ao restaurante do nosso amigo Arnaldo, onde almoçamos uns magníficos peixes na brasa, em melhor  companhia ainda.
No regresso pela Nazaré, com um vento de NW de 10 nós, fez-se uma bolina folgada até a cerca de 4 milhas do porto de abrigo, altura em que se fecharam as janelas e o vento caiu, obrigando-nos a ligar a máquina para os últimos passos até ao finger que acolheu o gracioso veleiro.
Da Nazaré até à Figueira não houve história, um Norte chato e frio e um Mar trapalhão acompanharam a viagem.
Na boca da Barra da Figueira esperava-nos o Bolha para a reportagem fotográfica.
A arribada à Figueira da Foz

Já a viagem da Figueira para Aveiro, feita com vento WSW de 10 nós e Mar de pequena vaga, foi um luxo.


video

O video do Bolha, 1º grumete arvorado do Veronique

O Veronique chegava amiúde aos sete nós e, muitas vezes, passava-os.


video
A todo o pano e a meia máquina

E se era certo que a máquina ia ligada, tínhamos muita pressa de chegar a Aveiro, não era menos certo que ia nas 1200 rpm, isto é a meia força, porque não adiantava força-la, que não andávamos mais por isso.
Ao largo da Praia de Mira

Entrada triunfante na nossa Ria, com mais amigos a fotografarem o gracioso veleiro.


A reentrada na nossa Ria de Aveiro



quarta-feira, fevereiro 01, 2017

Three Men in a Boat, Açores 2004



Candidato ao Óscar de melhor filme estrangeiro, do laureado  realizador Eugénio Bolha, o trailler do "Three Men in a Boat, Açores 2004

Léts luque ate de trêiler